espaço de performance art etc


BRASIL

Mark
OUROBOROS

Adriana Tabalipa
Celestino Dimas
Eduardo Amato
Eleonora Gomes
Érica Storer
Fernanda Pompermayer
Gustavo Francesconi
Jonas Sanson
Leo Bardo
Leonardo Franco
Marita Bullmann
Miguel Thomé
Renata Silvério
Rique-Silva
Curadoria
Isadora Mattiolli

Fotos
Andrea Mayer
18/11 - 17/12 2022

Uma serpente morde a própria cauda. O OUROBOROS é um símbolo presente em muitas culturas. Uma de suas aparições mais antigas está na tumba KV62, do faraó Tutancâmon. A cada manifestação, o círculo indica uma miríade de significados. No contexto desta exposição, as palavras que guiam o pensamento provocado por sua imagem são transformação e multiplicação - processos que descrevem as dinâmicas proporcionadas pelo PF, espaço de performance art etc, ou Performance Flex, Prazer Frenético entre tantas outras possibilidades que já preencheram essa sigla.

A exposição celebra um processo de transformação do casarão da Brigadeiro Franco, que passará por uma reforma estrutural, dando lugar a uma nova experiência. A constante reformulação do espaço é um motor do PF, que em seus oito anos de atividade acomoda ateliês, residências artísticas, grupos de pesquisa, exposições e, principalmente, práticas em performance. Nos últimos dois anos, o PF abrigou um Grupo de Pintura e o Performance Coisa, grupo de estudos em práticas simultâneas, coletivas e colaborativas em performance arte. Ambas atividades em que os contornos dessa exposição começaram a ser desenhados, pensando uma mostra de artistas residentes e ex-residentes, dando ênfase ao uso multiplicado do espaço, que é um só, mas que é e já foi tantas outras coisas.

Percorrer as práticas de ateliê do PF é deparar-se com um fenômeno de contaminação, de artistas transformados pelo contato. A transmissão de gestos, cores, processos e assuntos é proporcionada pela arquitetura de espaços em comum e por uma ética de compartilhamento. Caminhando pelos trabalhos percebemos, assim, as repetições. O devir imagem desses artistas, a multiplicação de si no trabalho, carrega muito do outro. O corpo é meio de recepção, assim como o suporte é meio de sustentação das imagens. Nesse sentido, até mesmo o espaço é meio, como demonstra o trabalho Poema Provisório, passagem que dividia o espaço de ateliê, assimilada na prática artística de Leo Bardo.

A forma circular derrama sobre as duas possibilidades de caminhos para atravessar a exposição. Entrando pelo acesso das escadas, passamos pelo Divisível, móbile de Jonas Sanson, estrutura de metal em equilíbrio feito de peças encontradas, os guizos que ressoam na partici- pação do espectador. Na primeira sala, os desenhos da série Sonho e Compromisso, de Leo Bardo, e a pintura A gente se encontra no âmago, de Renata Silvério, pensam em imagem as pulsões do corpo, a intensidade do gesto, formas que querem ser figuras, mas que ficam em eterno devir-algo, sentido compartilhado com o público. Na sala ao lado, o trabalho Coisa Extensa, de Eleonora Gomes, lida com elementos da pintura - superfície e suporte - de maneira a repensar as hierarquias entre eles, a frente e o verso, o verso e a frente, explorando a resistência do meio que escolhe intervir: a malha rugosa, que também define a imagem. As pinturas de Adriana Tabalipa, Elsewhwere e Soul - sal, são, por sua vez, como engrenagens de formas em movimento, energia cromática e dinamismo cintilante.

No salão, acontecem os ciclos de performance da exposição, que terão início na abertura, com a proposição Atlas, de Eduardo Amato, em parceria com Gustavo Francesconi. O artista realiza um Ritual de Limpeza, no resgate de papéis que acumulou durante toda a vida, que serão descartados e ressignificados por meio de coleção de ações/tecnologias - essas vão direcionar o que sobra e o que permanece do amontoado de trajetórias que os papéis documentam. A performance de Eduardo Amato continua em processo até dezembro, quando também acontecerá um workshop de performance arte com a artista alemã Marita Bullmann, e um festival internacional de performance.

Descendo as escadas rumo à galeria, os trabalhos estão organizados em quatro conjuntos de experiências. O primeiro conjunto, começando pela garagem, onde estão reunidos trabalhos de cores e delineados sedutores, de natureza gráfica. O conjunto de pinturas de Celestino Dimas cria uma composição que conjuga elementos geométricos e linhas sinuosas - urbano, tal como as formas das cidades, na sua experiência entre o grafite e o pictórico. A pintura Balão, de Leonardo Franco, faz parte da pesquisa do artista sobre os elementos narrativos das HQs, signos que compõem o seu embate exaustivo com os materiais, perceptíveis pela sobreposições de camadas de tinta e de sentido. E a porta de Leo Bardo, Poema Provisório, que em sua estrutura segmentada de estrofes, proporciona a leitura dos desenhos-versos.

No segundo conjunto, na sala entre a garagem e a galeria mais ampla, temos um grupo de trabalhos pensando em pintura aspectos relativos à recordação e imaginação. As pinturas de Miguel Thomé são passagens entre imagens, numa tradução de fotografias feitas em viagens, combinadas com as suas próprias lembranças fugidias, trazendo à tona a atmosfera de um veraneio de água gelada. As paisagens feitas de memória e invenção são também a proposta de Gustavo Francesconi em Brisa I, II e III. A pesquisa de Rique Silva propõe um olhar sobre o ser-artista, desde o princípio. Primeiro, pelo simples prazer de marcar a superfície com rabiscos e manchas da infância (no tríptico Fantos vital: autobiografia de um pensamento), até os traços intencionais que documentam o processo de uma poética (O Outro Apoca-lyp-so). Em A tela difícil e Ingenuidade (Para Marlise), não estamos diante de uma linguagem, mas de um mapa.

No salão, o terceiro conjunto reúne trabalhos atravessados pelo acaso, experimentação, e combinação de materiais inusitados em expressões em volume. Como na decisão pela barra roscada como eixo estruturante dos objetos encontrados-escolhidos de Jonas Sanson; que contrastam com a assemblage de relíquias do ateliê de Fernanda Pompermayer, que se organizam, por sua vez, pelo quase-desmoronamento. E, também, nas tentativas de Gustavo Francesconi com a modulação de pequenas pinturas, que uma vez frustradas, propõem uma nova maneira de percepção do tempo, em Meio dia e 15 - Quinze pras 4 - 9 e meia. Bem como as experiências do artista com materiais corrosivos, que vão vacilar o controle das formas geométricas tão características de sua pesquisa.

Por fim, ou num novo começo, temos o último (ou, então, o primeiro conjunto). São propostas que pensam a morte, a reconstrução e a vida - os ciclos. Abrindo (ou fechando) os caminhos com os círculos imperfeitos de gestos manuais (Andar em Círculos I e II), de Gustavo Francesconi. Atom Bomb, de Leonardo Franco, ou a grande explosão, o horror de encarar o semelhante no humano, o ovo da serpente. Kosma Ovo, de Eduardo Amato, o ovo cósmico que contém e dá origem ao universo, símbolo primordial da criação, descrito em diversas culturas antigas. Calendário sincrético que se multiplica ao infinito, pela fluidez da aquarela no ritual de gotejar os pigmentos sobre a superfície molhada do papel. O tudo de Kosma Ovo, contrasta com o vazio das infinitas possibilidades do tríptico Deus, Eu, Nada, de Eleonora Gomes, de incisões cromáticas mínimas e propositais sobre o plush suporte-visualidade.

Esse percurso sugerido é apenas o início, um entre as muitas maneiras de produzir sentidos sobre os trabalhos desses artistas, que apresentam nessa exposição coletiva parte de suas produções realizadas no contexto do PF - seja em sua estrutura física, ou na rede de laços proporcionada pelo espaço. Importante destacar a presença de práticas performativas nos processos da maioria desses artistas, que nesta exposição apresentam as suas pesquisas “entre” a bidimensionalidade e a volumetria, mas que contém em si o percurso dos movimen- tos realizados sobre os materiais e superfícies, implicando o corpo do artista e suas experiên- cias na visualidade sensível que produzem. A cauda está na mordida da serpente.

Isadora Mattiolli